A Trajetória de uma Geógrafa na Universidade Federal de Rondônia (UNIR)

Publicado em: 04/11/2022 16:52:25

Entrevista com Girlany Valéria Lima da Silva Araújo


 

Girlany   Girlany Valéria Lima da Silva Araújo é Licenciada, Bacharela em Geografia e mestre pela Universidade Federal de Rondônia (UNIR). Membro do Grupo de Pesquisa em Geografia e Ordenamento do Território na Amazônia (GOT-Amazônia). Foi aluna do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica PIBIC/UNIR (2011-2013). Atuou como professora de Geografia do ensino fundamental do Centro Educacional Paulo Freire (2017) e como professora colaboradora no Departamento de Ciências Sociais e Ambientais (DACSA) no curso de gestão ambiental/UNIR (2017), onde atualmente é professora substituta. Foi professora colaboradora do Departamento Acadêmico de Geografia (DGEO) da Universidade Federal de Rondônia – UNIR (2019). Atua na linha de pesquisa políticas territoriais e meio ambiente, com ênfase nos impactos ocasionados as comunidades ribeirinhas atingidas por usinas hidrelétricas na Amazônia. Tornou-se Doutora, tendo defendido sua tese com o título: “O Complexo Hidrelétrico do Rio Madeira: desterritorialização, reterritorialização e a temporalidade dos impactos em Vila de Teôtonio? Brasil e Cachuela Esperanza/Bolivia”. Sob a orientação da Professora Doutora: Maria Madalena de Aguiar Cavalcante

   GOT- Amazônia: Quem é Girlany Valéria Lima da Silva Araújo?

   Girlany Silva: A Girlany é uma pessoa simples e que gosta de ajudar as pessoas. Saí do Município de Guajará Mirim com 16 anos, para morar em Porto Velho, finalizar o Ensino Médio e prestar o vestibular. Minha família é constituída de muitos professores, sendo minha mãe também uma professora, que não gostaria que eu fosse mais uma professora, mas, acabei convencendo-a de que eu poderia além de ser uma professora também ser pesquisadora e ao finalizar essa etapa realmente foi esse o caminho que acabei trilhando e sou muito grata por isso.

 

   GOT- Amazônia: Girlany, fale sobre seu trabalho e como ele se conecta com você? Girlany Silva: Meu trabalho de pesquisa começou ainda no âmbito da Iniciação Científica, no primeiro momento possuía como objetivo identificar as comunidades afetadas pela instalação da hidrelétrica de Santo Antônio, com o amadurecimento da pesquisa partiu-se para análise da comunidade Vila do Teotônio/Brasil e posteriormente acrescentamos a análise da comunidade Cachuela Esperanza/Bolívia em uma perspectiva temporal. Acredito que a maior conexão com meu trabalho é que ele deu sentido a minha formação, além do fato de me interessar pela história das pessoas, não é fácil chegar em uma comunidade onde a vida das pessoas foi totalmente modificada pela instalação de uma hidrelétrica, você tem que ter respeito e empatia por essas pessoas, que confiam a você a história delas.

 

   GOT- Amazônia: Qual a importância do grupo de pesquisa na sua trajetória como pesquisadora?

   Girlany Silva: Meu ingresso no Grupo de Pesquisa fez com que eu não desistisse da minha graduação em Geografia, foi um divisor de águas na minha formação acadêmica, que me permitiu vislumbrar outras possibilidades.

 

   GOT- Amazônia: Qual a maior dificuldade no processo de criação da Tese?

   Girlany Silva: Criar uma tese não é processo simples, a maior dificuldade foi superar o quadro de Pandemia da Covid-19, que desorganizou minha rotina e o planejamento do meu trabalho, havendo uma necessidade de autossuperação.

 

   GOT- Amazônia: Diante da relevância da tese defendida, "qual a contribuição do seu trabalho para a ciência geográfica"?

   Girlany Silva: Acredito que meu trabalho de pesquisa permitiu um novo olhar para um dos conceitos da ciência geográfica (reterritorialização) ao aplicá-lo no contexto das comunidades ribeirinhas afetadas por hidrelétricas na Pan-Amazônia.

 

   GOT- Amazônia: Quais são suas perspectivas agora que é doutora em Geografia?

   Girlany Silva: Trabalhar na publicação de artigos científicos, assim como auxiliar no fortalecimento do Grupo de Pesquisa que faço parte.

 

   GOT- Amazônia: Você fecha um ciclo para dar lugar a novos! Deste modo, qual mensagem você deixaria a quem quer ingressar no PPGG - UNIR?

   Girlany Silva: Gostaria de deixar um recado principalmente para os alunos do curso de geografia, ser um aluno da Pós-Graduação em Geografia da UNIR não é algo impossível, mas, necessita comprometimento e esforço do aluno. Muitos alunos vêm de outros cursos e estados para fazer Pós Graduação na Geografia e muitas vezes os próprios alunos da Geografia da UNIR não acreditam que é possível. A trajetória de uma Pós Graduação não é fácil, mas, aprendi algo desde o início da minha pesquisa, de que a dedicação e o esforço nos levam a lugares que nunca imaginamos.

 

   GOT- Amazônia: Quer deixar uma mensagem, algum agradecimento, algo que queira dizer?

   Girlany Silva:Em todos as áreas da nossa vida estamos sempre semeando algo, seja um sorriso na vida de alguém, uma ajuda, uma palavra gentil, ou até mesmo palavras que estimulam ou desanimam as pessoas. Se plantamos um dia colheremos, é um processo natural. Todo dia é dia de escolher nossas sementes! Agradeço aos Professor(a)s do Programa de Pós Graduação em Geografia que lutaram para trazer o curso de Doutorado em Geografia para Rondônia, se tive a oportunidade de fazer doutorado em meu estado é fruto do esforço de cada um de vocês. Agradeço particularmente a minha orientadora, que me recebeu desde 2010, ainda no meu 3º período de Geografia, ela sempre me desafiou e auxiliou a enfrentar os desafios na vida acadêmica.

 

   Uma história que iniciou no ano de 2009 e que teve, nesta segunda-feira (31/10/2022), mais um momento a ser celebrado. A defesa de tese no Programa de Pós-Graduação em Geografia da UNIR, ocorreu às 9h, com a participação de dezenas de pessoas (estudantes da graduação, docentes e familiares) que prestigiaram a defesa de: Girlany Valéria Lima da Silva Araújo.

 

   O GOT-Amazônia sente-se honrado não apenas pela defesa, mas pela brilhante trajetória, ressaltando a seriedade com o trabalho, com o seu empenho que não mediu esforços na construção do grupo, a dedicação e qualidade da sua pesquisa.

   Desejamos Sucesso na sua trajetória!

Fonte: Grupo de Pesquisa em Geografia e Ordenamento do Território na Amazônia (GOT-Amazônia)